quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Devaneios (parte 2)

Mais uma noite insone e eis o resultado:

No princípio, havia um certo comedimento, um 'não-sei-o-quê' que os impedia de se aprofundarem um ao outro, situação aparentemente mais do que esperada para dois seres não-íntimos. Porém, com o decorrer do tempo, moroso para quem espera, célere para quem se deleita, aquela situação de mera casualidade foi aos poucos cedendo lugar a uma ânsia recíproca, uma sofreguidão pela presença do outro, um contar de segundos infindável. Foram aos poucos e cada vez mais se reconhecendo na figura alheia, nas falas, meneios, pensamentos. E como que de súbito veio a fome, a sede, e todas as carências iminentes que somente seriam saciadas pela convergência dos dois em um só...

0 comentários:

Postar um comentário