quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Poesia

Decidi que este ano escreveria bem mais, face aos acontecimentos recentes que mancharam minha alma, agora tenho bastante sentimentos reprimidos que a medida do possível transformarei em algo escrito, para ao menos tirar algo proveitoso disso tudo, fazer uma limonada com os limões que a vida forçosamente nos presenteia. E pra começar, como já havia me imposto o desafio de voltar a escrever poesias, eis o primeiro resultado dessa 'tentativa'. Ainda não desenferrujei completamente, a última poesia que escrevi foi lá pelos idos anos de 2004, então peco com relação a métrica e ao ritmo, mas espero que com a prática renovada eu consiga melhorar. 


Eis me aqui irresoluto novamente
buscando sentido nesse infindo vagar
da mente, que ignora o sinal de cessar
gritado amiúde pelo coração indulgente

O que ganho com esse ato dolente?
além de cansaço, insônia e pesar?
pois nada disso parece acrescentar
algo de bom que desanuvie esse ente

Enquanto não fujo desse martírio
resta-me extrair alguma coisa útil
que ao menos mantenha sua valia

Visto que até do mais cruel suplício
que nos renega sequer um refúgio,
tem-se nascida uma simples...poesia


Tá certo que não sou nenhum Camões ou um Shakespeare, mas eu já tinha avisado que essa fora a primeira tentativa em anos! rsrs.

1 comentários:

Rascunhos Ditala disse...

Realmente vc não é nenhum dos caras ai
no entanto vc escreve muito bem,
é profundo, sincero!!
e hj melancólico. Adoooro
bjs

Postar um comentário