domingo, 22 de maio de 2011

o coração frio do escorpião


Entenderam? Não? Vou explicar. Essa lindeza aí da foto é a estrela Antares, também chamada de Alpha Scorpi (derivado do nome latino da constelação de escorpião, da qual Antares é a estrela Alpha, a principal). É uma super gigante vermelha. Agora às explicações: super gigante, porque ela é cerca de 700 e poucas vezes maior que o Sol! e 10.000 vezes mais brilhante. Aliás, é a 16ª estrela mais brilhante do céu noturno. E por que estou falando dela agora? Porque a melhor época para vê-la está se aproximando, é dia 31 de maio, onde ficará visível a noite toda no céu, em oposição ao Sol. Para reconhecê-la, basta procurar por um ponto vermelho, devido a sua cor (porém, cuidado pois Marte também tem coloração avermelhada visto da Terra. Aliás, o nome Antares vem de Anti-Ares, pois as duas rivalizam seu brilho vermelho. Ares era o deus da guerra grego, Marte para os romanos).



O nome do post tem a ver com a condição de Antares. Ela fica bem no meio da constelação de escorpião, no lugar do coração. E frio, porquê, apesar de todo seu esplendor e magnitude, Antares é mais fria que o Sol, porque ela está no fim de seus dias. : ( Seu brilho vermelho atesta sua idade, quanto mais velha for a estrela mais vermelha. Estrelas jovens que têm muito hidrogênio em seu interior pra queimar como combustível são azuis, e as adultas são amarelas, como o nosso Sol. No fim de sua vida, que ainda vai demorar alguns milhares de anos, e mais ainda pra sabermos, pois ela está a 600 anos-luz da Terra, ela se transformará no maior fenômeno inexplicável do universo: um buraco negro! Até no fim ela será magnânima, rs. Deixo aqui a pergunta: será que o coração dos escorpiões é frio mesmo? Como bom escorpionino, e sei que a fama que temos não é das melhores, vou provar meu ponto de vista: deixar a resposta subentendida, rsrs. Mais uma foto da minha linda estrela:

sábado, 14 de maio de 2011

O Grande Gatsby


Este é o título do livro que acabei essa semana. Foi escrito por Francis Scott Fitzgerald, um dos maiores ícones da literatura americana, e um dos escritores da chamada 'geração perdida'. Vocês podem reconhecê-lo, se não dos seus livros propriamente, mas das várias adaptações de suas obras, a mais recente foi o conto O Curioso Caso de Benjamin Button (que será o próximo que eu lerei), filme estrelado por Brad Pitt e Cate Blanchet. Esse livro também foi adaptado, em um filme homônimo estrelado por Robert Redford. Outras de suas obras incluem o livro Suave é a Noite (Tender is the Night, também adaptada ao cinema, e título de uma canção popular interpretada por Elvis Presley) e Belos e Malditos (The Beautiful and the Damned, também título de uma canção popular escrita por Renato Russo e interpretada por Dinho Ouro Preto). Como se vê, há várias referências à suas obras no contexto popular. Posso dizer que em pouco tempo em que o conheço já se tornou um dos meus favoritos. Ele soube expressar como ninguém a 'le follie' americana pós Primeira Guerra. Os loucos anos americanos! O livro em questão não foge da temática mais abordada em sua bibliografia, nele ele desmascara as contradições da sociedade aristocrática., os vícios e excessos dos americanos que consideravam estar em pleno paraíso.  Fitzgerald utiliza uma linguagem estilistica comum a própria época, com bastante detalhamento de ambientes, mas que não deixa de ter uma linha lógica. É um livro de muito bom gosto, e considerado pela crítica como um de seus melhores. Me fez mergulhar no mundo dos grandes jantares, da pompa dos bailes, e das ruas escuras e malfadadas com seus cabarets abertos a noite inteira.