sábado, 17 de março de 2012

Andei sumido, é verdade. Sou desses que quando a inspiração falta, não tem conversa. Mas aproveitei esse tempo. Li vários livros que há séculos se amontoavam, re-assisti meus filmes favoritos. Andei por aí, e ao mesmo tempo por lugar nenhum. Talvez tenham me visto, mas acho pouco provável. Enfim, voltei a escrever. E dessa vez vai sair alguma coisa. Vamos ver no que vai dar. 

A título de informação (e mais ainda pra encher esse post), aí vai a lista do que tem me ocupado durante esse tempo (maldito vício em listas!):

  • O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway. Tocante, é tudo o que posso dizer. Na verdade não é tudo, mas sintetiza da melhor forma.

  • Angus, o Primeiro Guerreiro, de Orlando Paes Filho. Épico, empolgante, ótima pesquisa, uma viagem no tempo. (aprendi os nomes antigos de várias regiões da Bretanha.) 

  • A Estrada da Noite, de Joe Hill (filho do mestre Stephen King). Inacabado, mas tô gostando.

  • O Apanhador no Campo de Centeio, de Jerome David Salinger. Clássico que mudou toda uma época. Confesso que achei um tanto enfadonho no começo, pois Holden Caufield (personagem principal) era mais um boca-suja reclamão. Depois, compartilhei da sua revolta, da sensação de que nunca se está no lugar ideal fazendo o que se queira verdadeiramente fazer. Me vi muito nele. Ah, e impossível não se encantar por sua irmãzinha Phoebe!

  • Quando Eu Tiver 64, de André Takeda. Um livro feito em formato de posts de blog, como esse. Conflito de gerações, fuga de responsabilidades, medo de envelhecer. Gostei, mas você sente que falta algo mais. 

  • The Perks of Being a Wallflower (As Vantanges de Ser Invisível) de Stephen Chobsky. Resumo da ópera: meu livro favorito! Procurem-o, mas só encontrei a versão original, então quem não estiver muito familiarizado com o inglês, espere pelo filme que será protagonizado por Logan Lerman (Jack & Bobby, Percy Jackson, O Número 23) e Emma Watson (Harry Potter).

  • Bestiário, de Julio Cortazar. Não conhecia a obra dele, mas depois que se conhece os escritores hispano-americanos você não quer saber de outra coisa. Recomendo também Garcia Marquez e Jorge Luis Borges. Esse não é o melhor dele, que é Rayuela (O Jogo da Amarelinha) mas não consegui encontrá-lo. Quem tiver faça-me o favor de compartilhar ;)

  • Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak. Excelente, a história te prende do começo ao fim sem titubear. Esse foi escrito antes de A menina que roubava livros, seu maior sucesso, mas é tão bom quanto. (pelo que ouvi falar, na verdade nunca li esse segundo, sempre achei o título meio de livro de auto-ajuda, rs)

  • Cartas a Um Jovem Poeta, compilação de cartas escritas por Rainer Maria Rilke. Nos dá a visão de um verdadeiro poeta sobre temas tão diversos como a vida, a natureza, o amor, os homens, até o sexo. Inspirador. 

  • O Diário de Anne Frank, editado por Otto Frank. A realidade nua e crua de duas famílias judias vivendo num esconderijo durante a Segunda Guerra Mundial, na visão das descobertas da jovem Anne, que como toda adolescente, fez de seu diário um confidente sincero, além de um subterfúgio para fugir do horror.  

  • Memórias de Minhas Putas Tristes, de Gabriel Garcia Marquez. Magistral! Dá até vontade de bater palmas quando se acaba de ler, como se tivéssemos acabado de assistir a uma bela peça.

Bom, acho que foram só esses até o momento. Mandem sugestões de livros favoritos seus =)

0 comentários:

Postar um comentário